Levados Pela Poesia

terça-feira, 13 de março de 2018

O PRANTO CONTÍNUO DA ESTÉTICA

Chora pela Eternidade,
Moça bela,
Soluça por tuas trindades,
Tenra psicodélica.

Lacrimeja pelos teus erros,
Novo ser,
Sorri à multidão, mostra gratidão
Quando aflição reside em ti.

Cumprimenta as consequências,
Que criativa!
Fazes o abstrato atraente, como és tu,
Inventas sempre uma maneira de te arrepender.

Mágoas são cultivadas com o teu pesar,
É culpa tua?
Ora, o óbvio!
Tu achas o que procuras.

Queixa-te por mais um infinito,
Linda, esbelta!
Faz clamar
Qualquer coisa, qualquer alma!

Embala na química
Do teu ideal
Todas as vítimas
Do teu vendaval.

Mostra-te pacífica
Quando a intolerância domina,
Tal orgulho e ganância
De atenção.

Tua vaidade
Junta à vaidade alheia
Faz tempestade
Fria, mas serena. 

Teu egoísmo,
Tua apatia e tua falta de senso
Devastam todos aqueles
Que por ti zelam.

Coragem covarde,
Lágrimas cinzas,
Agridoce ambiguidade,
Beleza maldita.

Traço intangível
De talentosa mão,
Habilidade inegável,
Um sorriso com combustão.

Pranto incessante,
Lamento por ti.
“O que o causa?”,
Investigo por mim.

Vejo teu recuar,
Tua tensão;
Sinto tua negação,
Tua repreensão.

Lamuria por tudo o que foste
E serás;
Lastima-te,
Pranteia para o gracioso luar.


2014,
Thais Poentes

Nenhum comentário:

Postar um comentário