Levados Pela Poesia

terça-feira, 20 de março de 2018

OP.2 N.26 - FALSA NATUREZA

Caminho por quilômetros distantes,
Até que consigo encontrar sentido,
No meio de tantas retas de concreto,
Encontro o verde, o céu, e o ar,
Numa mansão incrivelmente grande,
Consigo enfim obter paz e alegria,
Fugindo de uma realidade presente,
Volto à 1920, pelo menos diz a placa,
A placa sobre uma provável locação,
No meio destes belos corredores,
Tais quais um dia eram de um homem,
Um só homem, dono de tudo.

Como pode ser possível precisar?
Caminhar infinitamente pelas árvores,
Galinhas e galos cantando, e águias,
Desenhadas pelas nuvens e vento,
Que tornam o céu uma tela de pintura,
E a água evaporada sua tinta infinita,
Combinados a criatividade da natureza,
Somos parte disto, somos parte,
Interligados por poeira cósmica, sim,
Somos o vento, somos o céu e o verde,
A liberdade belíssima desta mentira.

- Augusto Fossatti

Nenhum comentário:

Postar um comentário