Levados Pela Poesia

sexta-feira, 30 de março de 2018

OP.3 N.23 - MEU CAFÉ DA MANHÃ

Meu Café da Manhã

As pálpebras ainda estavam pesadas,
Quando comecei a te ver comigo,
Os coelhos não deixavam seu abrigo.
Quando eu já queria estar contigo.

As poeiras ainda ficavam iluminadas,
Como pequenas fadas cintilantes,
Nestes feixes retos vindos da janela,
Tudo que encosta se torna aquarela.

Nada estava pronto, nem o alimento,
O mundo ainda era desorganizado,
E você já tinha em mim o teu lugar,
Já tinha feito dentro de mim o teu lar.

Antes mesmo de toda esta escrita,
Antes mesmo de pegar no violão,
Você já se transformava na poesia,
Já se fazia parte da nova canção.

Antes de me erguer com pé direito,
Antes de decidir o que iria fazer,
Você já era a minha maior razão,
De longe meu motivo, a respiração.

Todo meu corpo ainda cambaleava,
Meu sono ainda conseguia manifesto,
Mas junto de toda emoção carinhosa,
Você estava presente, era maravilhosa.

Eu ainda estava com visão embaçada,
E minha mente você já dominava,
Os humanos ainda aqui estavam pensando,
Enquanto você, eu já estava amando.

E depois que todas as coisas passaram,
Houve algo que de certa forma ficou,
Uma fome que não me deixa quieto,
Algo que obviamente nunca mudou!

- Augusto Fossatti

Nenhum comentário:

Postar um comentário