Levados Pela Poesia

domingo, 25 de março de 2018

PONTE ESTARRECIDA DO ALVOR

Bocejos contra a brisa sólida,
Essa foi nossa morte;
Reconheci longínquo o que estava próximo.

Ouvi um passo,
Tu o pronunciaste em teu envolto olhar.
Valsas perfuram a cegueira:
Essa foi a única e duradoura nébula;
Avisei perfeitamente o que vinha a seguir.

De dia pulei no véu do mormaço
Apenas para sentir o que é gélido.
Eu vi um lar na Noite
E a aquisição rasa esvaneceu...

Como tu te crucificas assim?!
Deixa que eles o façam.

Flui sob a neve,
Permite que ela leve a ti,
Do mesmo modo que eu concebo.

Por que tens esse pensamento?
Manas e protelas do seu decorrer,
Sentes um não saber.

Não fiques desolada nesta alvorada;
Não decifrar-te-ei nesta escuridão –
Tu serás devastada pelo dilúculo.

Eu não abranjo a essência do afeto,
E tu me o mostraste em teus braços raros.
Despendo o Agora.

Não levar-te-ei ao meu lar,
E tu permaneces batendo à minha porta.
Para!

É assustador para tuas mãos agregadoras.
Ah, algum sonho torna-se real;
Esta madrugada é o óbice.

2014,
Thais Poentes

Nenhum comentário:

Postar um comentário