Levados Pela Poesia

domingo, 1 de abril de 2018

A AUSÊNCIA DO DECLÍNIO

Exploro por detrás das linhas,
Sinto um instinto diferente,
Ele pretende arcar com a lembrança
De manter a esperança,
Confinado e inconsequente,
Na espreita, delinquente.

O pranto não cessa,
Lá está seu inimigo
E o que carrega consigo.

Em um canto deveras distante
Beira a poeira do encanto,
Onde a inconsciente trabalha ciente,
Conduzido por um canto.

Não é fácil perceber
Como é simples se reerguer.

Desistir não se exerce,
Já que razões ainda resplandecem.
A emoção tem transcendido
Todo e qualquer sentido.

O pobre coração partido
Teimando que nada está perdido.
Agora vingativo,
Tomado pela fúria,
Querendo que quem o causou dor
Sinta-a também,
Porém não do mesmo modo,
Talvez além.

2013,
Thais Poentes

Nenhum comentário:

Postar um comentário