Levados Pela Poesia

quinta-feira, 26 de abril de 2018

A VIDA TEM SENTIDO

Não que eu precise saber, mas, as coisas não são assim e a gente precisa de um porquê, apesar de não ter um convincente.

Quero dizer, eu não me importo muito e chego a me importar até demais com as coisas. Isto é, se eu me importo, não me importo em me importar no que me importa.

Porque, se eu sei que não consigo conseguir o que consigo, ainda que não consiga, significa que eu tenho o que quero ter e não tenho nada do que eu queira.

Já citou R. Russo sobre os malucos da selva que começaram a uivar (não foi algo assim?! Quê?!), vou explicar para você: esses dementes não conseguem se importar com a frustração do que querem porque se importam.

No entanto, o sentido da vida reflete os bastidores de amendoim em cima daquele galho cor-de-rosa branco perto daquela fábrica de maçãs caramelizadas com recheio de abacate, com sabor de espinafre, com cheiro de banana, no formato de uma laranja triangular, por vezes azul e outras já nem sei.

Contudo, eles não conseguem entender que não entendem que não conseguem entender que não entendem. Deveriam entender, entende?!

Que conexão é essa? A razão nunca e sempre esteve corrompida!

“É isso aí”, foi o que eu ouvi numa rádio enquanto ouvia É Isso Aí. É isso aí.... Odeio essa música.

Só que a gente não percebe que não consegue perceber que não percebe que não consegue.

"Havia um navio voando, furaram os quatro pneus. Quantas laranjas ficaram? Nenhuma, porque pipoca doce não tem antena.", nos expôs um pensador contemporâneo desconhecido a lógica da coisa toda.

É! Está mais do que explicado. Meu papel foi feito.


(2013. Thais Poentes)

Nenhum comentário:

Postar um comentário