Levados Pela Poesia

terça-feira, 10 de abril de 2018

ESTEIO DA ANUÊNCIA

Vem a memória, vem o pincel.
Estive alguns meses em tua trivalência,
Vagarosos meses em teu molde.

Vê o relato mentido:
Recatada e depravada,
Um horizonte aluvial.

Coloquei-me em algo questionável,
A evolução regressiva. Apreciei
Minha conjectura: uma fantasia concreta.
Como não optaria por pendurá-la?

A meia continência estampada em todas as faces.
Já tiveste tu alguma recaída dos teus próprios princípios?
A epígrafe de tuas descobertas,
As causadoras de tribulações.

Vem a amargura, vem a tintura.
Devaneei tantos meses por teus ensejos,
Meses com apetência por ti.

Já te encontraste ilusa pela própria vaidade?
Fui deixada para trás para sucumbir,
E desse dia a esperança vazia ficou,
Eu fui meu próprio preço (um meio louvor).

Disseste que fui a mais adagial.
Disponhas minutos para leres
O narro fingido:
Exorbitante e ilustre.
Almejava mais esteio para a própria irresolução,

Um ser dúbio.
Questionou meu desfrute,
Pôs-se a danificar o imprescindível,
Mas regressou:
Seu pecado.

Vem a manhã, vem a pintura.
Estive tamanho período em minha lacuna,
Tão longínqua para alcançar o devoluto.

Foi afastada, para morrer,
Porém seu cadáver ficou,
Deixando o desconforto de seu odor.

Um dégradé de sentimentos, porque
Há contraste de adágios a se interromper –
A narrativa precedente.

2014,
Thais Poentes

Nenhum comentário:

Postar um comentário