Levados Pela Poesia

quinta-feira, 26 de abril de 2018

EXONERAÇÃO

Meu regelo te omite,
Minha solicitude te faz sozinha,
Minha convicção te faz questionar,
Mas tuas palavras são friúras como eu.

Tua expectativa eu receio,
O teu término é meu início.

Percebo o tino declinar,
Tu jamais compreenderias.
Escuto os espectros clamarem:
Não poderia te satisfazer.

Tua consciência eu temo,
Minha penúria ateia em nós,
Meu flagelo é teu anelo
E teu apego me aflige.

Tua espera é meu martírio,
Somente teu arrebol me constata.

Avisto a mancha,
Tu nunca estarás segura.
Não anistiar-me-emos.
Imbuída, tu te tornas nosso remorso.

2014,
Thais Poentes

Nenhum comentário:

Postar um comentário