Levados Pela Poesia

quinta-feira, 17 de maio de 2018

BLUE EYES

Essa é a data: 18 de fevereiro de 2011.
Isolada, tão sozinha,
Lembrou-me a mim mesma,
Fitava-me e,
Antes de escolhê-la,
Escolhera-me.

Senti subitamente tal elo,
O céu contemplou,
O vento consentiu,
Brotou o afeto em meu eixo aflito.

Eu a vi para esvanecer,
Eu a vi decaída,
Vi sua ferida,
Que duplamente em mim doía.

Um tanto depois,
Minha plangência a trouxe de volta,
Pois comigo deve permanecer,
Mesmo que sucumba seu carnal.

Minha estima será eterna,
Tu és a luz do meu sopro vital,
Sem ti eu sombria estaria,
Ainda na negligência do alento.

Dessarte, que ela me dê seu toque,
Serene minhas turbações.
Acariciar seu brando
E, então, afogar-me em ternura.

Tu és o que me desperta
Em cada declínio.
Fica na minha trilha,
Sê meu paradigma.

Sem ti longínqua eu estaria,
Tomar-me-ia o receio,
Na morte eu submergiria,
Até, de fato, partir.

Envolvo-te em meus braços,
Não permitas que eu pranteie.
Mira meus olhos,
Ampara meu rosto.

Pronuncia para mim, da tua maneira,
O quanto sentiste minha falta,
Deixa-me mostrar-te o recíproco.
Esteja comigo.

Escrever sobre ti dilacera-me:
Minha alma clama,
Meu coração em prantos chama
E meu ser desmorona.

Tira-me a fúria,
Nega minha solidão,
Extirpa meu pesar.
Esteja comigo.

Limpa-me com um toque,
Varre tudo que reside em mim,
Mostra-me o afável,
Permite-me senti-lo.

Espreme as angústias,
Aponta-me o que importa,
Não deixes que eu caia.
Esteja comigo.

Tu és minha canção,
Tu és meu caminho,
Não assente que eu perca meu trilho.
Esteja comigo.

Arranca-me do mar,
Com todas aquelas ondas
De desolação, de mágoas,
E conceda-me acolhimento.

Não permitas que eu chore a noite inteira,
Não concordes que eu chore agora,
Tu és meu único sedativo.
Ah, esteja comigo!

Tua presença
Faz-me viva.
Une a vida e a paz
Em tua voz.

A vida é miserável,
Mas contigo a tomo de forma amigável,
Não possibilites que eu me perca.
Esteja comigo.

Quebra minhas maldições,
Calça-me o sorriso,
Retrata-me o belo horizonte.
Esteja comigo.

Tira-me da sujeira,
Toma meus segredos,
Faz-me vê-los pequenos,
Deixa-me ser o que quero ser.

Que tu, minha vida,
Que tu, meu amor,
Que tu, minha pequena,
Esteja comigo.

Suplico-te,
É tudo que desejo,
É tudo que preciso...
Esteja comigo.
  Este poema é uma dedicatória para minha amada bichana Gatinha.
2014,
Thais Poentes

Nenhum comentário:

Postar um comentário