Levados Pela Poesia

sexta-feira, 11 de maio de 2018

SIMPLICIDADE

Não que eu estarei a cá,
E bem poderia estar,
Não necessariamente presente,
Mas em um determinado lugar.

Rodeada de gente,
Vendo o que não se vê:
O que, quem quer,
Consegue perceber.

Talvez eu não enxergue,
E sinta
O que ninguém jamais sentiu –
Ou esse seja como qualquer outro sentimento.

Não expecto sua confiança.
Não aguardo nada
Além das manchas.

O que faz alguém ser alguém?
Por que é que você está aqui?

Sem muito sentido –
Bem, até demais –.
É capaz de ouvir?

"Nenhuma dor acha o que não existe".

O que mais fiz foi esperar.

Dormirei.

2013,
Thais Poentes

Nenhum comentário:

Postar um comentário