Levados Pela Poesia

domingo, 17 de junho de 2018

SE EU PUDESSE SER

Lágrimas ácidas,
Presas,
Dilaceram-me por dentro.

Suspiros comprometidos,
Que representam meus gritos,
Perdem-se ao vento.

Caminhos não percorridos
De desejos rompidos
Mostram-se atentos.

Diante do delírio
De um ser ambíguo
Do mundo doído,
Pergunto-me:
O que fizeram comigo?
Sou uma criatura
Sem abrigo.

Um árduo sem cura,
A seguir,
E já.

O que vem desses cactos:
Não tem onde mais me aconchegar.
Não peço, não vou me ridicularizar.

Cadê a menina propensa
A um bom sossego?
Vejo-a tomada pelo medo.

O exorbitante lampejo,
Não vou lhe apagar.
E a lâmina dos vinte e dois?

Agora alguém me inquire:
O que é que vem depois?
Penso: algo atroz.

2013,
Thais Poentes

Nenhum comentário:

Postar um comentário