Levados Pela Poesia

domingo, 15 de setembro de 2019

TESTAMENTUM (OP.19 N.1)

Posso morrer ainda hoje,
portanto sinto-me na obrigação de escrever.

Se eu sofrer um acidente,
indo para o trabalho ou para um passeio,
preciso que saibam: não temo a morte,
nem acredito em vida após a morte,
portanto sinto-me na obrigação de dizer:
Não há porque ter pena! Morri em movimento!
Não fiquem tristes por mim - é só o que peço.

Se alguém causar minha morte propositalmente,
eu não quero vingança, nem a falsa justiça!
preciso que saibam: não acredito em bem ou mal,
apenas em vontade de poder, portanto preciso dizer:
- as leis dos homens não me agradam,
deixem o culpado viver - é só o que peço!

Se você é uma pessoa que amo,
espero que tenha aprendido algo comigo;
que pelo menos tenha percebido -
a vida é um drama hollywoodiano,
mas, apesar de tudo, tem lá sua beleza colateral:
Não seja submisso - é só o que eu peço!

Se agora eu estiver em coma,
ou se, por acaso, eu estiver inconsciente;
façam-me companhia - nunca quis estar sozinho,
mas, infelizmente, minha forma de ver o mundo -
essa forma toda desconexa com as pessoas - 
sempre fez de mim um ser solitário,
mas a solidão sempre me machucou -
apenas façam-me companhia - é só o que peço!

Meus poemas são meu diário de vida,
Eles são a minha história, a minha trajetória:
não ligo para o que venham a fazer com eles,
mas se eu escrevi sobre você,
então, por favor, guarde-os contigo para sempre:
esse é um pedaço de mim - é só o que eu peço.

Se eu morrer "antes da hora",
saibam que não acredito em morrer "antes da hora",
a hora da morte é um mero acaso,
Se morri - morri porque dei azar... ou sorte!
Diverti-me o suficiente, acreditem!
Realizei fantasias carnais,
Aproveitei cada gole de suco de fruta,
cada colher de sorvete das gelaterias,
cada cafeína das cafeterias que frequentei,
cada frase de cada livro que li,
cada nota de cada obra-prima clássica que escutei,
cada cena épica de cinema que vivenciei,
cada traço de cada bela dama que nas ruas vi,
cada flerte e troca de olhares sem objetividade,
cada passo de cada bailarina pelas quais me encantei,
cada sorriso ou choro que causei,
cada paisagem, cada árvore que enxerguei,
cada parte dos corpos femininos que visitei, sim! 
Celebrem a minha vida - é só o que peço!

Posso morrer ainda hoje, ou amanhã,
ou depois - mas não fará a menor diferença,
pois acolho a morte como uma grande amiga -
e não tentem fazer de mim aquilo que não sou!
Lembrem-se do verdadeiro eu - é só o que peço.

(Augusto Fossatti) 

Um comentário: