Levados Pela Poesia

sexta-feira, 27 de março de 2020

ESCOLHAS (OP.29 N.4)


Quão  terríveis são nossas malditas escolhas,

Quão doentes elas podem nos deixar:
Perdidos em uma vastidão de detalhes frios.

Cada porta é um destino incerto na existência,
A liberdade não existe, apenas ilude.

Quem sou eu para escolher meu destino,
Logo eu, que nada sei!

Seria mais fácil ser predestinado,
Mas sou apenas um átomo errante
na inexplorada tortura do espaço-tempo.

(Augusto Fossatti) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário