Levados Pela Poesia

sábado, 4 de abril de 2020

INVERNO DO VERÃO

Como o verão,
Esbraseante ela chegou.
Uma queimadura, no entanto,
Foi o que ficou.

Aqueça ou queime,
Maldição fervente.

Ela é como o inverno –
Branca e alarmante.

O gelo arde,
Por que me fez tocá-lo?

O sol longínquo me ofereceu,
Aceitei o presente que não posso olhar,
Acreditei na possibilidade de suportar.

Estive esperando-o,
Ciente de suas consequências.
Veja...
Não desejei o seu,
E mesmo assim ela me deu.
(Sem dar?!).
Passei a ansiar.

Ainda ciente,
Lidando com o esperado,
Encarei o falso conforto.

Seu bálsamo é uma ilusão,
Seu olhar é uma farsa,
Seu corpo – uma traição.

Então desejei que fosse sempre noite,
Apenas para apagá-la de minha memória.

Morra ou queime!

2013,
Thais Poentes

Nenhum comentário:

Postar um comentário